domingo, 26 de março de 2017

Reviver o passado no aeroporto

Everybody loves the things you do
From the way you talk to the way you move
Everybody here is watching you
'Cause you feel like home
You're like a dream come true

But if by chance you're here alone
Can I have a moment before I go?
'Cause I've been by myself all night long
Hoping you're someone I used to know

You look like a movie
You sound like a song
My God, this reminds me
Of when we were young

Let me photograph you in this light
In case it is the last time
That we might be exactly like we were
Before we realized
We were sad of getting old
It made us restless
It was just like a movie
It was just like a song

I was so scared to face my fears
Nobody told me that you'd be here
And I swear you moved overseas
That's what you said, when you left me

You still look like a movie
You still sound like a song
My God, this reminds me
Of when we were young

Let me photograph you in this light
In case it is the last time
That we might be exactly like we were
Before we realized
We were sad of getting old
It made us restless
It was just like a movie
It was just like a song

When we were young [4x]

It's hard to admit that
Everything just takes me back
To when you were there
To when you were there
And a part of me keeps holding on
Just in case it hasn't gone
I guess I still care
Do you still care?

It was just like a movie
It was just like a song
My God, this reminds me
Of when we were young

When we were young [4x]

Let me photograph you in this light
In case it is the last time
That we might be exactly like we were
Before we realized
We were sad of getting old
It made us restless
Oh I'm so mad I'm getting old
It makes me reckless
It was just like a movie
It was just like a song
When we were young

domingo, 5 de fevereiro de 2017

Parabéns para mim

ASCENDENTE: BALANÇA SIGNO AQUÁRIO

"O nativo de Aquário beneficia sobretudo do carácter social que o Balança confere aos seus nativos. O Aquário leva o seu sentido de justiça até à caridade, sendo bastante receptivo a essa tendência, a qual é a expressão dos seus próprios desejos. (...) Pelo lado positivo o Aquário/Balança tem um enorme sentido humanista e é capaz de se sacrificar por um ideal social. É um indivíduo com encanto, personalidade, inteligência, de espírito inventivo e com habilidade para convencer os outros. Atraído pelo estrangeiro e pelas viagens, concilia o sentido estético e a pesquisa científica. Tem qualidades de organização, é conciliador, inovador e por vezes tradicionalista. A sua mente é inventiva e original favorecendo o trabalho artístico e criador em vários campos de actividade. De natureza harmoniosa e amante das artes, aprecia os prazeres estéticos e as especulações mentais. Relaciona-se com facilidade mas pode depender da afectividade dos filhos e das pessoas amadas. Muito cordial e humanitário, gosta de estudar profundamente a natureza humana. Uma vez que age com muita diplomacia, poderá sentir-se realizado no serviço diplomático ou na área dos recursos humanos. Como não aprecia uma posição isolada e gosta de trabalhar em equipa, poderá manter um negócio com um ou mais sócios. (...) Acima de tudo precisa de um bom ambiente de trabalho. (...)" in Sapo

sábado, 8 de outubro de 2016

TÍNHAMOS TUDO PARA DAR ERRADO

"(...) Conhecemo-nos no vigor da juventude, onde tudo tinha uma força incalculável e onde a regra era: «querer é poder». E nós, (...), quisemo-nos como ninguém.
Hoje, com a distância higiénica necessária, posso afirmar, com toda a certeza, que te quis de uma forma assolapada. Sem regras. Sem eira, nem beira. Ainda sinto, nas veias, a ressaca do que foi querer-te naquela altura. E, como em todos os «quereres» dessa intensidade, o nosso amor tinha tudo para dar errado. (...) Juntos quisemos por à prova um dos provérbios mais antigos de que há memória: «Os opostos atraem-se».
Os nossos opostos atraíram-se de forma insana. (...) Éramos invencíveis. Nada nos detinha. (...)
Tudo era sentido de forma exagerada. (...) E foi no sentir que também me marcaste. Foste responsável por teres a primazia do toque. Contigo descobri que a pele também se arrepia por dentro, que os gemidos podem ser dados em surdina e que se pode fazer amor em qualquer lado. (...)
Mas, (...), os namoros também nunca acabam de forma serena. O nosso não foi exceção. Odiei-te. Odiei-te com a mesma força com que te amei. Odiei-te para sempre, porque me tinha jurado que também era para sempre que te amaria. Separámo-nos. (...) E, assim, as nossas vidas não se voltaram a cruzar. (...)
Depois de alguns escassos contactos, durante estes anos todos, hoje voltei a reencontrar-te. Tropecei em ti, por acaso, na net. (...) a urgência voltou. Não aquela mesma urgência de pegar no carro e desaparecer durante três dias. Não. (...)É uma urgência diferente. É uma urgência em confirmar que, mesmo tendo tudo para dar errado, os amores (...) nunca são um erro. São um marco. (...)"

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

TABACARIA (extractos)

"Não sou nada.
Nunca serei nada.
Não posso querer ser nada.
à parte isso, tenho em mim todos os sonhos do mundo.
(...)
Fiz de mim o que não soube
E o que podia fazer de mim não o fiz.
O dominó que vesti era errado.
Conheceram-me logo por quem não era e não desmenti, e perdi-me.
Quando quis tirar a máscara,
Estava pegada à cara.
Quando a tirei e me vi ao espelho,
Já tinha envelhecido.
Estava bêbado, já não sabia vestir o dominó que não tinha tirado.
Deitei fora a máscara e dormi no vestiário
Como um cão tolerado pela gerência
Por ser inofensivo
E vou escrever esta história para provar que sou sublime.(...)" 


Álvaro de Campos

segunda-feira, 30 de junho de 2014

O que realmente importa...

“No fim de contas são poucas as palavras
que nos doem de verdade, e muito poucas
as que conseguem alegrar a alma.
E são também muito poucas as pessoas
que nos fazem bater o coração, e menos
ainda com o correr do tempo.
No fim de contas, são pouquíssimas as coisas
que na verdade importam nesta vida:
poder amar alguém e ser amado,
não morrer depois dos nossos filhos
.” (negrito meu)
Amalia Bautista

segunda-feira, 28 de abril de 2014

" (...) Os meus amigos sabem tudo (...) sobre mim. Mais, sabem que ando sempre a correr atrás de alguma coisa e que, por isso, pode passar muito tempo entre os nossos encontros. Também eles andam a correr atrás de alguma coisa. Havemos de marcar um almoço, havemos de marcar um café, repetimos a acreditar que vai ser assim. Sentimos falta, mas habituámo-nos a ela. Quando, finalmente, estamos no mesmo lugar, somos desconhecidos para os filhos uns dos outros que, entretanto, cresceram bastante. Então, temos muito para contar, actualizações antigas que nos mostram o verdadeiro tamanho do tempo que passou. Mas o à-vontade mantém-se intacto. Porque os meus amigos não são aqueles para quem fui tudo até ao momento em que passei a ser nada, não são aqueles que me abandonaram quando deixei de lhes ser útil, os meus amigos não são aqueles com quem partilhei segredos e que, anos mais tarde, quando nos cruzamos por acaso, nem sei se hei-de cumprimentá-los." in José Luís Peixoto (negrito meu)